Notícias

Taxa de desemprego só volta a nível pré-recessão em 2022, indica estudo

23 de ago de 2017 | Por IBBRA Consultoria falando sobre Economia e atualidades

Por Ana Estela de Souza Pinto, Folha
22/08/2017

Num cenário otimista, de 4% ao ano, o recuo da taxa de desemprego levaria 26 trimestres, se a economia brasileira seguisse o padrão dos episódios estudados pelo banco.

PIB PRIMEIRO

A história das últimas décadas mostra que a taxa de desemprego só volta aos níveis pré-recessão depois que o crescimento do PIB retoma seu vigor.

Se a economia brasileira se comportar como a de outras 37 nações que passaram por recessão nas últimas décadas, o desemprego deve levar cinco anos para voltar ao nível pré-crise (6,5%, em 2014).

Além disso, a taxa natural de desemprego (aquela que não acelera a inflação) subirá dois pontos percentuais, para perto de 10%. No segundo trimestre deste ano, a taxa de desemprego brasileira ficou em 13% (de cada 100 brasileiros interessados em trabalhar, 13 não conseguiram se ocupar), segundo a Pnad contínua, medida pelo IBGE.

O estudo sobre o impacto da crise no mercado de trabalho foi feito com 123 episódios recessivos de 1961 a 2017 e publicado nesta terça (22) pelo banco Credit Suísse.

Foi essa a ordem nos 50 casos, dos 123 analisados, em que tanto atividade econômica quanto taxa de desemprego já haviam se recuperado, segundo dados da OCDE.

Em outros 59, o PIB já havia voltado à velocidade pré-crise, mas a taxa de desemprego não. Há outros 12 episódios em que nenhum dos indicadores se recuperou até o primeiro trimestre de 2017.

O estudo do Credít Suisse avaliou o tempo de retomada de PIB e emprego nos 50 casos de recuperação total.

Na média, a retomada do PIB levou 7 trimestres e a da taxa de desemprego, 9.

Quando se avaliam, porém, os países cuja profundidade da recessão foi semelhante à do Brasil —em que a economia já encolheu sete pontos percentuais desde 2014—, os prazos crescem.

Nesses casos, a mediana da recuperação do PIB foi de 15 trimestres e a da taxa de desemprego, de 17 trimestres.

“São patamares mínimos”, diz o economista Leonardo Fonseca, da equipe do Credit Suísse, porque nesses 50 países o crescimento foi forte o suficiente para permitir a queda da taxa de desemprego.

No caso do Brasil, a estimativa é que o PIB precise crescer acima de 1,70/. ao ano para que a taxa de desemprego comece a recuar.

“Se a economia do país crescer multo perto desse número, a queda do desemprego pode demorar multo. Para que ele caia mais rápido, seria preciso crescer perto de 3% ou 4% ao ano.”

NOVO PATAMAR
Outra questão importante, segundo Fonseca, é o desequilíbrio duradouro provocado pela recessão no mercado de trabalho.

Numa amostra de 53 países cujas recessões se encerraram antes da crise global de 2008, a taxa natural de desemprego não voltou aos níveis que tinha antes. Na mediana, ficou 1,5 ponto acima, 3o trimestres depois do início da crise.

Já nas crises mais profundas, semelhantes à brasileira, a alta foi de 1,9 ponto percentual.

O economista ressalva que analisar o caso específico do Brasil tem limitadores, como o fato de que a Pnad contínua começa apenas em 2012, o que dificulta observar como o desemprego se comportou em outros períodos recessivos da história.

Na comparação internacional, é preciso considerar fatores como o grau de flexibilização do mercado de trabalho —regras e encargos sobre contratações podem adiar a retomada.

“Num país com flexibilidade grande, como os Estados Unidos, a queda do desemprego depois da crise de 2008 foi muito mais rápida que em outros países.”

No caso brasileiro, a reforma trabalhista pode tornar o mercado de trabalho um pouco mais flexível. “Quando o país começar a apresentar crescimento mais forte, isso pode se traduzir numa volta mais rápida da taxa de desemprego.”

Outro fator que poderia mitigar o impacto sobre o desemprego, diz Fonseca, é o investimento em educação, principalmente dos mais jovens.

Isso compensaria a perda de experiência que eles vão sofrer pelo desemprego mais alto, que dificulta a entrada no mercado de trabalho.

(Notícia retirada integralmente do site http://www1.folha.uol.com.br)
*As opiniões expressas neste artigo não expressam, necessariamente, a opinião da Ibbra Consultoria Financeira.


Uncategorized

Gestoras esperam Selic estável hoje, mas mudam cenário para os próximos meses

19 de jun de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Betatriz Cutait, InfoMoney, 19 de junho de 2019 SÃO PAULO – São poucas as instituições financeiras que arriscam um palpite diferente da maioria para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central desta quarta-feira. Há certa unanimidade de manutenção da taxa Selic no patamar anual de 6,5% pela décima vez seguida, […]

Leia mais
Economia e atualidades

BC quer permitir contas em dólares no país e em reais no exterior

29 de maio de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Isabel Versiani e Alex Ribeiro, Valor, Brasília, 29 de maio de 2019 O Banco Central (BC) pretende permitir a abertura de contas em dólar no país e também adotar medidas para facilitar a abertura de contas em reais no exterior, afirmou o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto. Segundo Campos Neto, o objetivo do […]

Leia mais
Planejamento patrimonial

Banco Central planeja amplo programa de educação financeira

21 de maio de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Juliana Schincariol, Valor Econômico, Rio de Janeiro, 21 de maio de 2019 O Banco Central está reavaliando e ampliando sua agenda de reformas estruturais, chamada de Agenda BC+, para incorporar novas dimensões, incluindo a educação financeira. “A educação financeira é um requisito fundamental para a democratização do sistema financeiro”, afirmou o diretor de relacionamento […]

Leia mais