Notícias

Sob novo comando, BC mantém Selic em 6,5%

21 de mar de 2019 | Por IBBRA Consultoria falando sobre Economia e atualidades
Por Fabrício de Castro, O Estado de São Paulo, Brasília, 20 de março de 2019

Agora sob comando do economista Roberto Campos Neto, o Banco Central decidiu nesta quarta-feira, 20, manter a Selic (taxa básica de juros) em 6,5% ao ano. Foi a oitava reunião consecutiva em que o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a taxa neste patamar, o menor da história. Apesar da decisão, o BC demonstrou preocupação maior com a fraqueza da atividade econômica no Brasil, o que, na visão de alguns economistas do mercado financeiro, eleva as chances de novos cortes da taxa básica no futuro.

 

Embora a Selic esteja no nível mais baixo da história, a taxa de juros real (descontada a inflação) do Brasil é a sétima maior do mundo. Ranking elaborado pela Infinity Asset Management e pelo site MoneYou indica que o juro real brasileiro está em 2,31% ao ano. Taxas reais mais elevadas são registradas em países como Argentina (10,19%), Turquia (6,91%) e México (4,18%), considerando o conjunto das 40 economias mais relevantes do planeta.

 

A decisão desta quarta era largamente esperada pelos economistas do mercado financeiro. De um total de 43 instituições consultadas pelo Projeções Broadcast, todas projetavam manutenção da Selic em 6,5%. A dúvida era justamente se, com a economia ainda em marcha lenta, o BC poderá iniciar um novo processo de cortes da Selic ainda este ano. Oito instituições projetavam taxa inferior a 6,5% ao fim de 2019.

 

Ao comunicar sua decisão, o BC reforçou a possibilidade de cortes da taxa. Isso porque o Copom avaliou que “os indicadores recentes de atividade econômica apontam ritmo aquém do esperado”.

 

“O BC reconhece que a economia emitiu sinais de que está numa trajetória mais lenta do que se estimava, mas com a preocupação de mostrar que, apesar disso, não está na iminência de repensar a política monetária no curto prazo”, avaliou o estrategista-chefe da XP Investimentos, Daniel Cunha.

 

O economista-sênior do banco Haitong, Flávio Serrano, avaliou que a Selic deverá ser mantida no atual patamar por alguns meses, à espera da reforma da Previdência. Segundo ele, em função da atividade fraca, aumentaram as chances de corte da taxa básica.

 

Notícia retirada integralmente do site https://economia.estadao.com.br)
*As opiniões expressas neste artigo não expressam, necessariamente, a opinião da IBBRA – Consultoria Financeira.


Uncategorized

Gestoras esperam Selic estável hoje, mas mudam cenário para os próximos meses

19 de jun de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Betatriz Cutait, InfoMoney, 19 de junho de 2019 SÃO PAULO – São poucas as instituições financeiras que arriscam um palpite diferente da maioria para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central desta quarta-feira. Há certa unanimidade de manutenção da taxa Selic no patamar anual de 6,5% pela décima vez seguida, […]

Leia mais
Economia e atualidades

BC quer permitir contas em dólares no país e em reais no exterior

29 de maio de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Isabel Versiani e Alex Ribeiro, Valor, Brasília, 29 de maio de 2019 O Banco Central (BC) pretende permitir a abertura de contas em dólar no país e também adotar medidas para facilitar a abertura de contas em reais no exterior, afirmou o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto. Segundo Campos Neto, o objetivo do […]

Leia mais
Planejamento patrimonial

Banco Central planeja amplo programa de educação financeira

21 de maio de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Juliana Schincariol, Valor Econômico, Rio de Janeiro, 21 de maio de 2019 O Banco Central está reavaliando e ampliando sua agenda de reformas estruturais, chamada de Agenda BC+, para incorporar novas dimensões, incluindo a educação financeira. “A educação financeira é um requisito fundamental para a democratização do sistema financeiro”, afirmou o diretor de relacionamento […]

Leia mais