Notícias

PIB fraco limita ganhos da bolsa

01 de ago de 2017 | Por IBBRA Consultoria falando sobre Economia e atualidades

Por Lucinda Pinto
01/08/2017

A percepção de que a economia vai se recuperar mais lentamente do que se previa deve continuar limitando o desempenho do Ibovespa. Para especialistas, os juros vão cair mais, o que é uma boa notícia para as empresas, mas não a ponto de compensar a piora das perspectivas para a atividade. No mês de julho, o Ibovespa subiu 4,8%. Ainda assim, acumula uma perda de 2,4% desde o dia 17 de maio – marcado pelo vazamento de conversa entre o empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer -, quando o Ibovespa fechou a sessão aos 67.540 pontos. Já o dólar, talvez o termômetro de risco mais importante dos efeitos da crise política, voltou aos níveis pré-delação, muito em função do cenário de liquidez.

Da mesma forma, os juros futuros alcançaram mínimas históricas, reagindo ao exterior e também ao sinal por parte do Banco Central de que vai cortar ainda mais a taxa básica. “O juro vai cair mais para compensar o cenário de PIB mais fraco, e por isso não melhora as perspectivas para o PIB”, afirma o economista-chefe da Mauá Capital, Alexandre de Ázara. Para o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, embora haja muita discussão sobre o quanto o mercado de ações é capaz de espelhar o desempenho da atividade, uma vez que há muitos outros elementos influenciando as decisões de investimento, é inegável que há uma correlação entre o Ibovespa e o PIB. O especialista comparou o desempenho mensal do índice e do IBC-Br, proxy do PIB mensal, calculado pelo Banco Central, e confirmou que o Ibovespa “antecipa” o desempenho do índice em alguns meses. Comportamento que mostra-se compatível com a leitura de que a recuperação da atividade no terceiro trimestre ainda deve ser bastante modesta.

“Não vejo nada diferente no horizonte, nem mesmo nas expectativas para a política monetária, que altere esse cenário de atividade e, consequentemente, para a bolsa”, afirma Gonçalves. Ele espera um crescimento de 0,4% do PIB neste ano e de 1,7% no ano que vem. Quadro que, em sua visão, tende a “travar” uma recuperação muito mais forte do índice nos próximos meses. “Tem gente mais otimista com a bolsa, mas eu não consigo ver o índice num outro patamar”, afirma. “Pode até ser que o Ibovespa teste os 68 mil pontos em algum momento, mas não será um movimento sustentável”, diz.

Esse quadro mais incerto sobre a política, que joga para frente a possibilidade de o governo aprovar a reforma da Previdência – considerada fundamental para equacionar a relação dívida/PIB e, assim, encorajar investimentos de prazo mais longo em ativos brasileiros – levou o UBS Wealth Management a alterar sua recomendação para a bolsa em julho para equacionar a relação dívida/PIB e, assim, encorajar investimentos de prazo mais longo em ativos brasileiros – levou o UBS Wealth Management a alterar sua recomendação para a bolsa em julho para “underweight” (abaixo da média do mercado). Ou seja, a indicação é que o investidor reduza a exposição à bolsa dadas as incertezas sobre a retomada do crescimento. “O que faz a bolsa andar é a melhora da atividade econômica, de fato. E a recuperação que se via antes da delação se baseava na percepção de que a expectativa [de retomada] e a realidade começavam a conversar”, explica Andres Kikuchi, do UBS. Ele reconhece que a queda dos juros e da inflação tem um efeito positivo sobre a massa de renda real, o que é um elemento favorável para a economia. Mas observa que os sinais são de que a crise política deflagrada pela JBS prorrogou essa recuperação.

Além disso, ressalta Kikuchi, a recuperação ocorre sobre uma base muito ruim, num ritmo insuficiente para provocar um impacto forte sobre a bolsa. “O que mexe com decisões de investimento é o crescimento do lucro”, resume. O UBS projeta um crescimento de 3% no ano que vem e de 0,5% em 2017.

O sócio e gestor da Canepa, Eduardo Roche, pondera que a demanda por ações está maior do que há dois anos. Ele observa que os balanços estão sendo lidos com atenção, porque, após dois anos de recessão, começa a surgir entre investidores um interesse por empresas que estão muito “descontadas” por não terem mostrado bom desempenho no período de crise. E que podem oferecer agora algum sinal de recuperação para frente. “É natural que o mercado comece a buscar oportunidades em ações que não entregaram no período em que a economia ficou engasgada, na expectativa de recuperação da atividade em 2018”, afirma.

O gestor diz, entretanto, que em seus fundos ainda não migrou para esse tipo papel. “Ainda preferimos as empresas que se mostraram mais fortes para atravessar o pior momento da economia”, afirma. Isso porque, em sua visão, é preciso considerar que não é só o ambiente macro, mas os fundamentos específicos de cada companhia que definirão os resultados futuros. “O que o mercado quer ver é se as empresas que sofreram com a recessão vão conseguir se recuperar nos próximos trimestres”, diz.

No exemplo de Usiminas, que reverteu o prejuízo do primeiro trimestre e registrou lucro de R$ 117,1 milhões, mostrou uma reação importante, embora a recuperação ainda esteja mais em cima dos preços do que do volume de produção. “É uma empresa com uma correlação muito grande com o PIB”, observa.

Ontem, o Ibovespa subiu 0,65%, a 65.920 pontos, depois de flertar com os 66 mil pontos. Em julho, o giro médio diário do Ibovespa ficou em R$ 4,8 bilhões, abaixo da média do ano, que é de R$ 6,1 bilhões. O volume fraco reflete o clima do mercado, que segue em compasso de espera. (Colaborou Chrystiane Silva)

(Notícia retirada integralmente do site www.valor.com.br)

*As opiniões expressas neste artigo não expressam, necessariamente, a opinião da Ibbra Consultoria Financeira.


Uncategorized

Gestoras esperam Selic estável hoje, mas mudam cenário para os próximos meses

19 de jun de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Betatriz Cutait, InfoMoney, 19 de junho de 2019 SÃO PAULO – São poucas as instituições financeiras que arriscam um palpite diferente da maioria para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central desta quarta-feira. Há certa unanimidade de manutenção da taxa Selic no patamar anual de 6,5% pela décima vez seguida, […]

Leia mais
Economia e atualidades

BC quer permitir contas em dólares no país e em reais no exterior

29 de maio de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Isabel Versiani e Alex Ribeiro, Valor, Brasília, 29 de maio de 2019 O Banco Central (BC) pretende permitir a abertura de contas em dólar no país e também adotar medidas para facilitar a abertura de contas em reais no exterior, afirmou o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto. Segundo Campos Neto, o objetivo do […]

Leia mais
Planejamento patrimonial

Banco Central planeja amplo programa de educação financeira

21 de maio de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Juliana Schincariol, Valor Econômico, Rio de Janeiro, 21 de maio de 2019 O Banco Central está reavaliando e ampliando sua agenda de reformas estruturais, chamada de Agenda BC+, para incorporar novas dimensões, incluindo a educação financeira. “A educação financeira é um requisito fundamental para a democratização do sistema financeiro”, afirmou o diretor de relacionamento […]

Leia mais