Notícias

Banco Central reduz projeção do PIB de 2019 de 2,4% para 2%

29 de mar de 2019 | Por IBBRA Consultoria falando sobre Economia e atualidades

Por Fabrício de Castro, Eduardo Rodrigues e Vinicius Neder, São Paulo e Brasília, O Estado de S. Paulo, 28 de março de 2019.

 

 

Na esteira dos indicadores mais recentes de atividade, que mostram crescimento mais lento do que o esperado, o Banco Central (BC) reduziu sua expectativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, de 2,4% para 2,0%. O novo porcentual consta no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado na manhã desta quinta-feira, 28.

 

Entre os componentes do PIB para 2019, o BC alterou de 2,0% para 1,0% a projeção para a agropecuária. No caso da indústria, a estimativa passou de 2,9% para 1,8% e, para o setor de serviços, de 2,1% para 2,0%.

 

No lado da demanda, o BC reduziu a estimativa de crescimento do consumo das famílias, de 2,5% para 2,2%. No caso do consumo do governo, o porcentual projetado continuou em 0,6%.

 

O diretor de Política Econômica do BC, Carlos Viana de Carvalho, disse que os dados do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR) – espécie de prévia do PIB calculada pela autoridade monetária – mostram o arrefecimento do ritmo de recuperação da atividade no fim do ano passado e no começo deste ano.

 

“Esse desempenho é afetado pelos diversos choques aos quais a economia esteve exposta no ano passado”, afirmou.

 

O documento apresentado nesta quinta-feira indica ainda que a projeção de 2019 para a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) – indicador que mede o volume de investimento produtivo na economia – foi de 4,4% para 4,3%.

 

Na mesma linha do BC, o Grupo de Conjuntura do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) também revisou a projeção de crescimento do PIB de 2019 de 2,7% para 2,0%. Segundo relatório publicado na Carta de Conjuntura do primeiro trimestre, os primeiros indicadores do ano mostram que a recuperação da atividade econômica segue lenta.

 

Mesmo o crescimento de 2,0% em 2019 fechado dependerá de uma aceleração da atividade ao longo do ano. “Tendo como base um cenário em que a reforma da Previdência é aprovada com impacto fiscal relevante em meados de 2019, projetamos a aceleração do crescimento trimestral ao longo do ano, condição necessária para atingir o crescimento anual esperado de 2%”, diz o texto do relatório.

 

Em 2019, o crescimento será impulsionado pelo consumo das famílias, com avanço esperado de 2,6%. A formação bruta de capital fixo (FBCF) é projetada com alta de 4,7%. No lado da oferta, o Ipea projeta avanços nos PIBs da agropecuária (0,4%), da indústria (1,8%) e de serviços (2,2%).

 

O Grupo de Conjuntura do Ipea também revisou para baixo a projeção para o IPCA de 2019, passando de 4,10% para 3,85%.

 

Notícia retirada integralmente do site https://economia.estadao.com.br/)
*As opiniões expressas neste artigo não expressam, necessariamente, a opinião da IBBRA – Consultoria Financeira


Uncategorized

Gestoras esperam Selic estável hoje, mas mudam cenário para os próximos meses

19 de jun de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Betatriz Cutait, InfoMoney, 19 de junho de 2019 SÃO PAULO – São poucas as instituições financeiras que arriscam um palpite diferente da maioria para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central desta quarta-feira. Há certa unanimidade de manutenção da taxa Selic no patamar anual de 6,5% pela décima vez seguida, […]

Leia mais
Economia e atualidades

BC quer permitir contas em dólares no país e em reais no exterior

29 de maio de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Isabel Versiani e Alex Ribeiro, Valor, Brasília, 29 de maio de 2019 O Banco Central (BC) pretende permitir a abertura de contas em dólar no país e também adotar medidas para facilitar a abertura de contas em reais no exterior, afirmou o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto. Segundo Campos Neto, o objetivo do […]

Leia mais
Planejamento patrimonial

Banco Central planeja amplo programa de educação financeira

21 de maio de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Juliana Schincariol, Valor Econômico, Rio de Janeiro, 21 de maio de 2019 O Banco Central está reavaliando e ampliando sua agenda de reformas estruturais, chamada de Agenda BC+, para incorporar novas dimensões, incluindo a educação financeira. “A educação financeira é um requisito fundamental para a democratização do sistema financeiro”, afirmou o diretor de relacionamento […]

Leia mais