Notícias

Aluno mais rico fica atrás em teste de finanças no Brasil

25 de jul de 2017 | Por IBBRA Consultoria falando sobre Planejamento patrimonial

Flavia Lima
De São Paulo

Mesmo os estudantes brasileiros mais ricos tiveram baixíssimo desempenho na prova de conhecimento de finanças, em avaliação feita pelo Pisa, teste internacional de aprendizagem de jovens conduzido a cada três anos.

Na prova de 2015, os estudantes brasileiros atingiram nota média de 393 pontos, a pior entre os 15 países avaliados nesse quesito específico, atrás do Peru (403 pontos) e do Chile (432 pontos).

Entre os três países com melhores notas no teste de finanças, dois são emergentes.
No topo do ranking, os chineses somaram 566 pontos seguidos pelos estudantes canadenses e pelos russos.

A prova específica de conhecimentos financeiros é aplicada desde 2012, mas o Brasil fez o teste pela primeira vez em 2015.

Na Pisa, as três habilidades tradicionais – leitura, matemática e ciências – são testadas há bem mais tempo, desde 2000. Na versão mais recente, reuniram 70 países.

Ana Maria Bonomi Barufi, economista do Bradesco, mostra que a variável renda tem efeito relevante não só sobre as habilidades tradicionais, mas também sobre o conhecimento financeiro dos jovens em todo o mundo.

Nos 15 países analisados, uma comparação entre 25% dos estudantes mais pobres e os 25% mais ricos mostra uma diferença de ao menos 40 pontos na nota média dos alunos dos dois grupos.

A disparidade maior foi verificada na China, com um fosso de 132 pontos entre a nota média dos mais pobres e a nota média dos mais ricos.

Ainda assim, surpreende que a nota dos estudantes chineses menos favorecidos supera a dos mais ricos de países como Peru, Chile, Eslováquia, Lituânia e Brasil.

A Rússia registrou a menor diferença entre as notas de conhecimento em finanças de estudantes mais pobres e mais ricos, de 46 pontos.

No caso do Brasil, chama a atenção que mesmo os estudantes mais ricos não conseguem sobressair quando comparados a seus pares de outros países.

A nota média do grupo brasileiro com renda familiar mais alta foi de 441 pontos, a lanterna entre todos os estudantes mais ricos.

MAIS POBRES

Já os estudantes brasileiros mais pobres alcançaram nota média de 364 pontos.

Comparados apenas com estudantes de renda mais baixa de outros países, conseguem ficar à frente do Peru.

Barufi identifica ainda uma correlação positiva entre o PIB per capita – um indicador de riqueza de um país – e a nota obtida no Pisa em conhecimentos financeiros.

A comparação também mostra atraso do Brasil em relação a outros países.

Pelo nível de PIB per capita exibido pelo Brasil, a nota dos alunos brasileiros deveria ser cerca de 40 pontos maior, diz a economista.

Barufi reconhece que o nível de conhecimento financeiro do brasileiro preocupa.

Mas diz que os números devem ser vistos com cuidado porque o Brasil está, no geral, sendo comparado com países mais avançados.

De qualquer modo, diz ela, é certo que os estudantes brasileiros precisam desenvolver a habilidade, relevante para que consigam planejar melhor suas vidas e seu futuro.

Nesse jogo, a escola tem contribuição importante a dar. Eslováquia, Peru, Holanda, Lituânia e Bélgica estão entre os países que já adotaram a política nacional para o ensino de finanças pessoais.

“Mas o papel tem que ser da sociedade”, diz Barufi.

Enquanto tal movimento não toma corpo, alternativas para avançar na formação de jovens mais preparados para lidar com finanças podem ser formuladas, diz Barufi, como campanhas virtuais de conscientização sobre o tema.

(Notícia retirada integralmente do site http://www1.folha.uol.com.br)

*As opiniões expressas neste artigo não expressam, necessariamente, a opinião da Ibbra Consultoria Financeira.


Uncategorized

Gestoras esperam Selic estável hoje, mas mudam cenário para os próximos meses

19 de jun de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Betatriz Cutait, InfoMoney, 19 de junho de 2019 SÃO PAULO – São poucas as instituições financeiras que arriscam um palpite diferente da maioria para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central desta quarta-feira. Há certa unanimidade de manutenção da taxa Selic no patamar anual de 6,5% pela décima vez seguida, […]

Leia mais
Economia e atualidades

BC quer permitir contas em dólares no país e em reais no exterior

29 de maio de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Isabel Versiani e Alex Ribeiro, Valor, Brasília, 29 de maio de 2019 O Banco Central (BC) pretende permitir a abertura de contas em dólar no país e também adotar medidas para facilitar a abertura de contas em reais no exterior, afirmou o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto. Segundo Campos Neto, o objetivo do […]

Leia mais
Planejamento patrimonial

Banco Central planeja amplo programa de educação financeira

21 de maio de 2019 | Escrito por IBBRA Consultoria

Por Juliana Schincariol, Valor Econômico, Rio de Janeiro, 21 de maio de 2019 O Banco Central está reavaliando e ampliando sua agenda de reformas estruturais, chamada de Agenda BC+, para incorporar novas dimensões, incluindo a educação financeira. “A educação financeira é um requisito fundamental para a democratização do sistema financeiro”, afirmou o diretor de relacionamento […]

Leia mais